between us

SEÇÕES

Viagens aos estados, G20 e eleições: as prioridades do presidente Lula em 2024

Sem maioria de esquerda no Congresso, Lula terá mais um ano para administrar aliança com Centrão

Viagens aos estados, G20 e eleições: as prioridades do presidente Lula em 2024 | Marcelo Camargo/Agência Brasil
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Opresidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou que o segundo ano de seu terceiro mandato, em 2024, será marcado por extensas viagens pelo país, abandonando a comodidade do Palácio do Planalto. Durante esse período, ele planeja apresentar as iniciativas de um governo que enfrentará desafios significativos no Congresso, na economia, na política externa e no cenário eleitoral.

Lula já informou aos ministros que não ficará mais na "moleza" do Palácio do Planalto, destacando a necessidade de "conversar com muita gente" ao longo de 2024. Com as eleições municipais programadas para outubro, onde os brasileiros votarão para prefeito e vereador, este período servirá como um aquecimento para a disputa presidencial de 2026. Dessa forma, a itinerância pelo país se torna o foco central da estratégia governamental, seguindo um primeiro ano que concentrou esforços em: 

  • Neutralizar ameaças golpistas após os atos de 8 de janeiro;
  • Recriar programas sociais, a exemplo do Bolsa Família, Mais Médicos e Minha Casa, Minha Vida;
  • Aprovar uma nova regra para as contas públicas e a reforma tributária;
  • Lançar um pacote de obras no Novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC);
  • Reestabelecer laços com países e organismos multilaterais.

Para o ano de 2024, conforme anunciado pelo ministro da Casa Civil, Rui Costa, a estratégia delineada é a de implementar um maior número de ações e reduzir o planejamento, visando aprimorar a aprovação do governo e fortalecer a posição de Lula. Essa abordagem busca atender a diversos objetivos, incluindo: 

  • Lançar e inaugurar obras do PAC nos estados;
  • Aproveitar a presidência do G20 para ampliar o peso do Brasil nas negociações internacionais;
  • Aprovar no Congresso a regulamentação da reforma tributária;
  • Administrar a relação com o Centrão;
  • Reduzir o desmatamento no ano anterior à COP 30;

Após uma agenda internacional intensiva em 2023, marcada por visitas a 24 países, Lula busca agora dedicar um tempo mais significativo a itinerários internos, planejando visitas a todos os estados do país. Em um ano de eleições municipais, o presidente aposta nessa estratégia como meio de aprimorar a aprovação do governo e impulsionar seus candidatos. 

"Vai ser o ano inteiro [2024] de viagem pelos estados brasileiros e lançamento de obras do PAC, inauguração do Minha Casa, Minha Vida, de escolas técnicas, de institutos federais, lançar novas universidades federais", disse o presidente em outubro.

REGULAMENTAÇÃO DA REFORMA TRIBUTÁRIA

O governo tem um prazo de 180 dias para encaminhar ao Congresso os projetos que visam regulamentar aspectos da reforma tributária, centrada nos impostos sobre o consumo. A reforma, recentemente aprovada, está sujeita a um período de transição e requer especificações detalhadas em áreas como a definição dos produtos abrangidos pela cesta básica (com isenção de impostos sobre o consumo federal), a identificação de produtos e serviços com alíquotas reduzidas, e a categorização de produtos sujeitos a tributação mais elevada, popularmente conhecido como "imposto do pecado", criado para desencorajar o consumo de itens prejudiciais à saúde e ao meio ambiente. 

META FISCAL

Outro ponto que demandará discussões internas no governo e uma coordenação efetiva com o Congresso é a ponderação sobre a viabilidade de alterar a meta fiscal que preconiza um déficit zero em 2024, uma proposta defendida pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Até o mês de março, o governo terá o prazo para avaliar se será capaz de cumprir essa meta ou se buscará aprovar um projeto para sua modificação, contemplando a previsão de um déficit.

"É importante a Fazenda continuar perseguindo a meta de equilíbrio fiscal [em 2024]. É o que faremos à luz dos acontecimentos. Vamos buscar essa meta, pois é importante ao país", afirmou o ministro a jornalistas na sexta.  

ARTICULAÇÃO POLÍTICA

Na última reunião ministerial do ano, Lula afirmou que em 2024 seguirá como "princípio" a manutenção do diálogo com os partidos. Na Câmara, as siglas de centro-esquerda garantem aproximadamente 130 votos em um total de 513 deputados, uma quantia insuficiente para a aprovação da maioria dos projetos. Por esse motivo, o governo terá a necessidade de continuar sua aliança com as legendas do Centrão.

O respaldo do grupo de parlamentares, liderado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), foi fundamental para a aprovação da agenda governamental no Congresso. O próprio presidente reconheceu não deter uma maioria consolidada e depender do apoio de diversos partidos.

PRESIDÊNCIA DO G20

A principal prioridade de Lula na esfera internacional é o G20. Até novembro, o Brasil ocupa a presidência desse grupo composto por 19 países, a União Europeia e a União Africana, os quais representam aproximadamente 85% da economia mundial. A cúpula de chefes de Estado e de governo do bloco está programada para ocorrer no Rio de Janeiro. Lula pretende aproveitar o destaque internacional para impulsionar negociações em conjunto com outros países, visando estabelecer medidas de combate à desigualdade e às mudanças climáticas. Além disso, ele persistirá em discursos favoráveis ao fim dos conflitos entre Israel e Hamas, bem como entre Rússia e Ucrânia.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
between us Mapa do site