pixbet

SEÇÕES

Irmã de Léo Moura é presa acusada de vender entradas falsas para camarotes na Sapucaí

Conforme as vítimas à polícia, a autora cobrava R$ 5 mil pelo ingresso para duas pessoas.

Irmã de Léo Moura é presa acusada de vender entradas falsas para camarotes na Sapucaí. | Reprodução
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

A irmã do ex-jogador Léo Moura, Lívia Moura, foi presa pela Polícia Civil e Ministério Público do Rio de Janeiro na manhã desta segunda-feira (13), acusada de vender entradas falsas para camarotes na Sapucaí. Segundo as vítimas à polícia, a autora cobrava R$ 5 mil pelo ingresso para duas pessoas.

Irmã de Léo Moura é presa acusada de vender entradas falsas./Foto: Reprodução

Leia Mais

As autoridades informaram que a investigação teve início quando as pessoas que foram vítimas do golpe procuraram a 19ª DP (Tijuca) para denunciar. Foi relatado que Lívia garantia que os nomes dos compradores seriam colocados numa lista de convidados. No entanto, ao chegarem ao local, descobriram que se tratava de um golpe.

As diligências foram realizadas em colaboração com a delegacia temporária do Sambódromo, vinculada à 6ª DP (Cidade Nova). À medida que as investigações avançaram, a Polícia Civil solicitou a prisão temporária da acusada, a qual foi deferida pelo Poder Judiciário. Esta ação  faz parte da "Operação Carnaval Seguro".

Irmã de Léo Moura é presa acusada de vender entradas falsas.;Foto: Reprodução

OUTRAS ACUSAÇÕES

Não é a primeira vez que a irmã do ex -jogador sofre acusações referente ao crime de estelionato. Em 2022, Lívia teve sua prisão decretada por estelionato na venda de ingressos falsos do Rock In Rio. Uma vítima teria perdido R$ 20,8 mil ao tentar comprar ingressos com ela. Porém a mesma não foi encontrada em casa durante o mandado de prisão. 

Em 2017, Renato Augusto prestou notícia-crime na polícia contra Lívia por suposto estelionato e furto qualificado. A acusação de desvio seria de pelo menos R$ 200 mil.  Na época, ele relatou que havia contratado a irmã de Léo Moura para a produção musical, como já havia feito em 2015. Shows foram contratados, mas houve cobranças excedentes de pelo menos R$160 mil e duas folhas de cheque foram furtadas. Renato pagou cachês a Lívia Moura, mas parte do dinheiro não chegou aos artistas. 



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
pixbet Mapa do site