fortnite xbox cloud gaming

SEÇÕES

José Osmando

Coluna do jornalista José Osmando - Brasil em Pauta

Violência e mortes no Equador nos obrigam a olhar para a Amazônia

Violência e narcotráfico no Equador durante as eleições revelam influência do tráfico internacional

FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

O Equador vai para as eleições que escolherão seu novo Presidente, neste domingo, abalado por uma onda de violência que já matou dois influentes líderes políticos dentro de apenas uma semana, e sob o poder do narcotráfico que domina o país de modo visível. Na quarta-feira, 09, o candidato à presidência, Fernando Villavicencio, foi assassinado com tiros na cabeça, quando participava de um evento de campanha. Nesta segunda-feira, 14, apenas cinco dias depois, o dirigente partidário Pedro Briones, ligado ao ex-presidente Rafael Correa, também foi morto a tiros. Desde o dia 11, o Equador vive sob “estado de exceção”, por ato do presidente Guilhermo Lasso.

Nas raízes dessa violência, muito claramente se enxerga a influência que o narcotráfico internacional exerce em território equatoriano, país escolhido como alvo preferencial para sua atuação. Desde muito tempo, o Cartel de Sinaloa, do México, associado a facções criminosas locais, como Los Croneros e Los Lobos mandam as cartas, embora existam outros grupos rivais em crescimento. Recebendo influência internacional para sua atuação, o narcotráfico cria para as autoridades equatorianas uma gigantesca dificuldade para controlar o avanço do crime organizado.

TRÁFICO NA AMAZÔNIA

O que ocorre no Equador, relativamente à ação dos narcotraficantes, não é um domínio trágico restrito apenas a esse país. A atuação de facções criminosas que controlam o tráfico de drogas está cada vez mais presente em toda a Amazônia, incluindo,  com destaque,  o Brasil. Em áreas brasileiras fica cada vez mais evidente a presença dessa ação criminosa, que vai além, marcando a degradação ambiental, por meio do desmatamento acentuado e da grilagem em terras indígenas, promovendo a extração de madeira e a exploração e roubo de minerais preciosos, como ouro, diamante. 

CASSITERITA 

Mais recentemente, as facções criminosas que passaram a ocupar as terras indígenas brasileiras a partir de 2018, têm hoje em foco, além de ouro e diamante, estanho e outros metais valiosos, um mineral sobre o qual têm se dedicado com especial afinco. Trata-se da Cassiterita, um tesouro explorado especialmente em terras Yanomamis, cujo interesse internacional é enorme e crescente. Tal interesse decorre do fato de que é da cassiterita que se extrai o estanho, metal usado para produzir ligas como as folhas de flandres, famosas e úteis por sua maleabilidade e pela capacidade de evitar corrosão e ferrugem.

Esse metal de valor extraordinário, de grande atração por parte da indústria, está presente nas latas de bebidas e alimentos, no acabamento de carros, na fabricação de vidros, nas trelas de celulares e computadores, e muitas outras aplicações. Numa só operação, realizada em fevereiro, a Polícia Federal apreendeu em Boa Vista, capital de Roraima, 100 toneladas de cassiterita, carregamento que iria clandestinamente para o exterior, avaliado em mais de R$ 15 milhões. Para se ter uma ideia do que estamos falando, com o aumento do consumo de cassiterita no mundo, a exploração em terras brasileiras tem crescido sem parar. Basta olhar um detalhe particular em todo esse interesse: há 20 anos, um quilo de cassiterita custava cerca de R$ 5,00. Hoje está por volta de R$ 120,00 e até R$ 160,00.

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS 

A presença do tráfico internacional de drogas em terras amazônicas, especialmente no lado brasileiro, tem trazido graves e progressivas consequências, como conflitos armados, violação dos direitos humanos, expulsão dos povos originários de suas terras, ocupação criminosa, sempre à base de armas pesadas, de áreas pertencentes a reservas oficias, gerando deslocamentos forçados, de famílias, além de muitas mortes que diariamente são registradas pelos invasores. 

Tais constatações, portanto, são um desafio permanente a autoridades de todo o mundo, desde os dirigentes dos oito países que integram essa imensa e mais importante área ecológica do universo, até os responsáveis pelos destinos dos países ricos, face à imprescindível necessidade de manter a Amazônia preservada, servindo, assim, à segurança ambiental da humanidade. Está aos olhos de todos de que a presença dos poderosos narcotraficantes internacionais, com suas parcerias locais, tende a contribuir aceleradamente para a destruição do meio aceleração, prejudicando particularmente os grupos populacionais mais vulneráveis.

Além da preocupação com as mortes e violência política presentes hoje no Equador, é preciso que todos enxerguem, enquanto há tempo, o que está instalado nas terras amazônicas e corram para conter a tragédia da destruição.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
fortnite xbox cloud gaming Mapa do site

1234